26/04/07

SIMPLEX. DELÍRIO FEBRIL DE JOÃO GESTA.

As próximas linhas são da responsabilidade do partido do governo.

O executivo do piloto-aviador José Sócrates vai propor à Assembleia da República a aprovação de uma linha de crédito para promover a acção artística de novos talentos, preferencialmente nas áreas da literatura, da moda e dos bordados.

Poderão concorrer ao referido apoio os seguintes talentos, nascidos em território nacional e/ou na Malveira:

- engenheiros de papel
- engenheiros com a mania dos monstros
- pataniscas que tenham sido comidas a norte do Mondego
- poetas-esfregões
- o Armando Vara
- rabos de boys
- o Armando Vara
- pequenos arenques por fumar
- enguias da Murtosa que não tenham inscrição na “Universidade Independente”
- jovens casadoiras com sete saias e, pelo menos, um ovário

Jovem-coisa:

Se tens mais de 10 semanas, és saudável, se tiveste o azar de nascer em Portugal e/ou na Malveira, NÃO HESITES, envia-nos o teu projecto, explicitando se gostas de ficar por cima ou por baixo.
Só tens de indicar o teu nome completo, a morada da toca abjecta onde te acoitas, o nome do dealer que serve a tua área de sobrevivência e a idade do torneiro-mecânico que, miseravelmente, andas a comer às escondidas da tua mulher.
Depois, lê em voz alta um poema do Baudelaire e esfrega-o docemente no rabo. Se não tiveres rabo, esfrega-o na alma.
Mete tudo (a candidatura e o poema devidamente esfregado) num envelope e envia para o presidente do Gil Vicente ou para o Gomes de Pinho. Tanto faz. São ambos patéticos e, como tal, muito competentes.
Uma última nota:
Se não tiveres em casa um poema do Baudelaire, podes esfregar o rabo num pensamento do Padre António Vieira, num ligamento do Pedro Emanuel e por aí fora, até chegares ao útero da Josefa D´ Óbidos ou, mais à frente, ao cruzamento da Carvalhosa.

Deixa o resto connosco.
Ousa.
O país precisa de ti. Nós, nem por isso.

(poema de amor escrito na madrugada do 25 de Abril de 2007. Dedico-o a todos os meus Amigos e, em especial, à Sandra, uma amiga às esquerdas. Amo-vos.)

5 comentários:

pat disse...

está óptimo. gosto imenso. obrigada. apenas gostava de deixar aqui um comentário: serei apenas eu e esta minha mente desconfiada ou noto neste poema de amor um pingo de saliva?

Filipa Leal disse...

João: gosto de saber-te loucamente amado.

BIFE disse...

Este país é só a rir, a riiiir!
Parabéns pelo blog.

Fiquem bem... e até de repente,
Vítor Sá @ BIFE RadioShow
www.myspace.com/biferadioshow

;)

valter hugo mãe disse...

joão gesta, és um dos meus heróis. sabes que assim à primeira, até fui buscar um poema do baudelaire e tudo. enfim. sou um jovem complicado. he he he. abraço grande

inominável disse...

tive que me contentar com uma tradução do Baudelaire porque não tinha toner na impressora para imprimir em francês... espero que o comité não coloque restrições a este meu comportamento... mas como a segunda hipótese era padre, achei que preferia uma má tradução do que um original que podia trazer o sal da terra agarrado ao primeiro parágrafo e arranhar-me o rabo...