05/12/06

3 poemas de Marguerite Yourcenar traduzidos por Mário Cesariny

RESPOSTAS

- Que tens para consolar a cova,
coração insolente, coração incontido?
O fruto maduro pende e sossobra,
Que tens para consolar a cova?
-Tenho o tesouro de ter sido.

- Que tens para suportar a vida,
Coração doido, farto de pulsar?
Coração sem brilho e sem jaça,
Que tens para suportar a vida?
- Piedade de tudo o que passa.

- Que tens para desprezar o mundo,
Coração duro, fácil de quebrar,
Que tens para desprezar o mundo,
Que tens mais que nós, mais fundo?
- Capaz de me desprezar.


INTIMAÇÃO

A morte aproxima-se, corre,
Amigo, irmão, sombra, que importa?
A morte é a única porta
Para sair de onde tudo morre.


CANTILENA PARA UM TOCADOR DE FLAUTA CEGO

Flauta da noite que se cerra,
Presença líquida de um pranto,
Todos os silêncios da terra
São as pétalas do teu canto.

Espalha teu pólen na alfombra
Do catre que por fim te acoite
Mel de uma boca de sombra
Como um beijo na boca da noite

E pois que as escalas que cansas
Nos dizem que o dia acabou,
Faz-nos crêr que os céus dançam
Porque um cego cantou.

3 comentários:

pat disse...

Gesta, as coisas que tu sabes... até que o mário traduziu a margarida, fantástico... assim sim... grande blogue. bjos

santiago santos disse...

GOSTO MESMO MUITO DESTE ESPAÇO.
PARABENS

SANTIAGO SANTOS

http://www.bluedelay.blogspot.com/

Pedro disse...

Vi a Filipa Leal, na Sic Notícias, a dizer poesia, e fiquei absolutamente siderado. A expressão, a voz, o sorriso...O próprio poema (de sua autoria). Passaram dias e ainda penso no assunto...